Carregando...

4 explicações para a impressionante queda da violência em Nova York

  • 26 JAN/18
  • ABSEG
  • Site

* Notícia comentada por André Ochoa, MBS, Especialista nas áreas de Prevenção de Perdas

Tiroteios em Manhattan e assaltos no Central Park são cada vez mais algo do passado e da ficção: Nova York vive seu momento mais seguro em décadas.

A prova está nos números: a cidade, que é a mais populosa dos Estados Unidos, teve 290 homicídios em 2017, segundo dados oficiais. É o menor número desde 1951, quando essas informações começaram a ser coletadas.

Em relação à população, a taxa de homicídios de 2017 foi de 3,4 por 100 mil pessoas – muito abaixo dos 30,7 registrados na década de 1990. Para comparação, essa taxa foi de 30 no Brasil em 2016, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

“Uma queda dessa não foi registrada em nenhuma outra grande cidade”, afirma Franklin Zimring, especialista da Universidade da Califórnia em Berkeley e autor do livro The City That Became Safe: New York’s Lessons for Urban Crime and Its Control (“A cidade que se tornou segura: as lições de Nova York sobre o crime nas ruas e seu controle”, em tradução literal).

Os números de tiroteios, assaltos, roubos e prisões também caíram. Uma exceção foram os casos de estupro, que aumentaram em 2017 em relação ao ano anterior – algo que a polícia associa à enxurrada de denúncias de assédio sexual que envolve famosos no país.

As autoridades de Nova York se mostram satisfeitas com o resultado. “Ninguém acreditava que seria possível ter menos de 300 assassinatos em um ano”, disse o prefeito Bill de Blasio este mês.

O chefe da polícia, James O’Neill, foi na mesma linha: “Nova York não é mais o pesadelo violento que um dia já vimos na imprensa, na TV ou nos filmes”.

 

Na hora de interpretar este fenômeno, especialistas apresentam diferentes dados e teorias.

  1. Mais policiais

Uma das mudanças que acompanharam a melhora da segurança em Nova York foi o aumento de pelo menos 35% na quantidade de policiais na cidade entre 1990 e 2000, quando o número o ultrapassou o de 53 mil funcionários, segundo dados oficiais.

Foi o maior crescimento registrado em uma metrópole com mais de 250 mil pessoas nos Estados Unidos.

A diferença foi mais significativa em algumas áreas: o número de policiais de narcóticos cresceu o dobro em Nova York nessa década, por exemplo.

Depois dos ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001, também cresceu a quantidade de policiais designados a tarefas de contraterrorismo.

Com isso, diminuiu o número de funcionários dedicados a combater delitos nas ruas. O interessante, assinala Zimring, é que mesmo assim Nova York conseguiu manter os níveis de segurança.

  1. Nova tecnologia

Isoladamente, uma maior quantidade de policiais nas ruas está longe de garantir uma queda nos crimes. Mas, no caso de Nova York, isso foi acompanhado por uma mudança tecnológica chave.

“Entraram em jogo os sistemas de computador, para que o chefe de polícia soubesse onde os policiais estavam posicionados, onde os crimes eram cometidos e o impacto do posicionamento dos policiais nas taxas de criminalidade”, disse Zimring.

“Antes dos computadores, não se sabia onde estavam os policiais. Podiam estar comendo rosquinhas o tempo todo”, acrescenta.

O sistema computadorizado foi denominado CompStat, e foi implementado pela polícia de Nova York a partir de 1994. O êxito foi tanto que outras cidades dos Estados Unidos seguiram o exemplo, ainda que com resultados diferentes.

A isso se somaram outras mudanças tecnológicas, como a chegada dos telefones celulares – e posteriormente, dos smartphones.

“Podemos chamar a polícia imediatamente, gravar um vídeo”, afirma Eugene O’Donnell, ex-policial e ex-promotor de Nova York que atualmente é professor de Justiça Penal no John Jay College.

Recentemente, a cidade incorporou novas tecnologias, incluindo um sistema denominado ShotSpotter, que detecta tiros mediante sensores especiais.

  1. Mudança de estratégia

Este é um dos pontos que geram mais controvérsia, inclusive entre especialistas: qual foi a mudança na estratégia policial que contribuiu para aumentar a segurança de Nova York?

Há quem associe o fenômeno à “tolerância zero” ou à “teoria das janelas quebradas” que autoridades da cidade implementaram no passado, vigiando agressivamente pequenas violações da lei para evitar a ocorrência de crimes mais graves.

Mas há quem negue que esse seja o segredo por trás da queda na criminalidade.

“É preciso ir onde estão ocorrendo os homicídios. E isso é exatamente o que foi feito”, assegura Zimring.

Some-se a isso a estratégia policial de acabar com mercados públicos de venda de drogas. Existentes em diferentes pontos da cidade, esses locais contribuíam para o aumento nos homicídios, devido à disputa violenta por controlá-los.

A venda de drogas a varejo continuou, mas de forma mais discreta e menos sangrenta.

Ainda assim, a polícia de Nova York reduziu consideravelmente sua política de “parar e revistar” (“stop and frisk”, em inglês), ou seja, abordar e revistar os transeuntes.

Em 2013, a Justiça determinou que a prática violava garantias constitucionais e que era discriminatória contra latinos e negros, já que eles tendiam a ser mais abordados que os brancos.

Blasio tem enfatizado melhorar a confiança dos cidadãos na polícia, atribuindo a queda dos delitos em Nova York à estratégia de perseguir os grupos responsáveis por boa parte dos crimes.

  1. As pessoas e o dinheiro

Outro ponto por trás da melhora da segurança em Nova York são as mudanças econômicos e sociais.

“A cidade costumava ser um lugar a se evitar, as pessoas estavam fugindo. Agora, é um dos bens imobiliários mais valiosos do mundo”, disse O’Donnell. “Viver em Nova York se tornou um bem precioso.”

A queda na criminalidade está muito relacionada a “fatores de nível macro”, opina James Austin, presidente do Instituto JFA, uma organização que avalia práticas de Justiça Penal.

Esses fatores, afirma, incluem taxas de juros, inflação, desemprego e até taxa de fecundidade. “As mulheres estão tendo filhos mais tarde – e menos filhos”, diz Austin. Segundo ele, isso aumenta o controle doméstico e contribui para uma queda nas prisões de jovens.

“Todos esses fatores de nível macro mostram ter um efeito supressor muito forte sobre a taxa de criminalidade.”

 

André Ochoa, MBS, Especialista nas áreas de Prevenção de Perdas, apontou quatro  explicações para a impressionante queda da violência em Nova York

O controle da criminalidade é uma preocupação em qualquer lugar do Mundo, nos EUA por exemplo, várias teorias baseadas no estudo do funcionamento da sociedade foram aplicadas no intuito de explicar o crime e o criminoso e criar ações de combate e controle. Para citar algumas:

A Escola de Chicago – Teoria da Ecologia Criminal, ou Teoria da Desorganização Social –  Estudo do crime e do criminoso do ponto de vista da Sociedade;                      

A Teoria da Associação Diferencial – Estudo sobre criminosos que não se originavam de bolsões de pobreza, restringiu os seus estudos aos autores de crimes contra o sistema financeiro, denominados de crimes do colarinho branco;

Teoria da Subcultura Delinquente – Estudo sobre grupos subculturais: Delinquentes Juvenis, Gangues de Periferia, Anarcopunks, Skinheads e Hooligans.

 Muitas das ações e combate à criminalidade aplicadas em Nova York tiveram como base pelos seus governantes os estudos das teorias acima. Somado a isto, o foco foi atacar a causa geradora da criminalidade, ou seja, ir onde ocorrem os crimes, entender o ambiente e a aplicar estratégias de combate ao crime que fossem efetivas.

Os fatores de sucesso para diminuição dos níveis de criminalidade aplicados em Nova York, como o aumento do contingente policial, uso da tecnologia para melhor distribuição da equipe e monitoramento dos crimes, estar presente onde efetivamente ocorrem os crimes e trabalhar em cima das mudanças socioeconômicas, a fim de trazer maior segurança, queda na criminalidade e aumentar a atratividade da cidade para investimentos financeiro e turismo, parecem muito óbvios analisando friamente. Mas, devemos levar em consideração que cidades numerosas e com crescimento desordenado nem sempre conseguem ter efetividade em suas ações, seja de combate ao crime ou sociais, se não tiverem muito bem respaldadas tanto no que tange a legislação, investimentos sociais e vontade política.

Mais uma vez Nova York é um exemplo que é possível aplicar a equação = Ações de Combate – Crimes = Polução mais segura e cidade mais valorizada.

Deixo uma reflexão: O quanto o Brasil, ou São Paulo, por ser a cidade mais populosa do país, está distante desta realidade”?

 

Fonte: http://www.bbc.com/portuguese/internacional-42741088?ocid=socialflow_facebook


Associe-se à ABSEG

A ABSEG é a principal entidade voltada para os interesses e atividades dos profissionais de todos os setores do segmento de segurança privada no Brasil, e seu maior ativo é o conhecimento de seus associados.

associe-se agora!

vídeo institucional